a experiência humana só terá sentido se algo para lá do humano vier em nossa ajuda, em nosso socorro. o nosso drama é que a única coisa que desse género ou natureza parece poder vir é a morte, a nossa própria morte.

10 de agosto de 2007

regresso breve

Retomo o lugar.

Ando à procura de seixos nas águas do rio.

Faço-me com frases curtas.

A corrente mais forte do rio que me leva, que me arrasta.

O silêncio do vale. O ladroar diverso, a desoras. A paisagem é deles.

2 comentários:

  1. vijm aqui, fui ali ler a tua trovoada. Gosto, à partida, da tua escrita. Há coisas que são inevitáveis como apreciar o modo de escrever.


    Vivi nos Olivais, sim, mas sou mais nova 7 anos? ao que parece. O que faz com que me tenhas ignorado na época como é habitual na adolescência. Se é o apelido que te chamou a atenção, pode ser a minha irmã :) que conheças.

    (por JPN também não chego lá! e nem recordo gente que gostasse da escrita)

    Um dia com sol e cheiro a terra húmida para ti

    ResponderEliminar

Arquivo do blogue