a experiência humana só terá sentido se algo para lá do humano vier em nossa ajuda, em nosso socorro. o nosso drama é que a única coisa que desse género ou natureza parece poder vir é a morte, a nossa própria morte.

31 de janeiro de 2006

Paisagem sem Título

Tenho a pele a latejar. Mal vejo o chão que piso. Tiro os óculos míopes. Não sei de onde sou, para onde. Não sei nada. Amanhã vou armar-me em forte e dizer que a vida é assim, sem se saber de destino nem por onde. Agora atiro-me de cabeça para a frente. Não me interessam palavras-segurança. Cada um de nós é luz onde se escurece, onde se amedronta, onde treme. Calhou que fosse agora.

Eu sei porquê. Eu sei porque me sinto corajoso agora. É o meu segredo. Que partilho. Mas não aqui. Mas não vou falar mais da coragem. Não me interessa. O meu FMI ainda está agora a começar. Quero berrar. Atirar-me para o chão. Maldizer. Só depois os bombos e os adufes. O mar da Ericeira.

Aquele espanto. Aquele espanto menino.

Não consigo inquietar-me com ela a meu lado. Parece-me sempre que é uma tempestade num copo de água.

Vou por isso escrever sobre o amor como se me zangasse.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo do blogue