a experiência humana só terá sentido se algo para lá do humano vier em nossa ajuda, em nosso socorro. o nosso drama é que a única coisa que desse género ou natureza parece poder vir é a morte, a nossa própria morte.

31 de janeiro de 2006

Moldar

Espalho o barro na mesa. As ferramentas. Tecks. Outras que fui arranjando. Da argila faço um pouco daquilo que sou. Uma amálgama retorcida, aparada, misto de sensibilidade e frieza. Na minha gelatina tremente, sou capaz de morrer em segundos. Sempre fui assim. Antecipei as mortes e com isso fui perdendo vidas. Tenho mais de sete em cada mão e nem falo dos pés. As mortes a mim renovam-me. São outras tantas. E quanto mais morro mais vivo.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo do blogue