a experiência humana só terá sentido se algo para lá do humano vier em nossa ajuda, em nosso socorro. o nosso drama é que a única coisa que desse género ou natureza parece poder vir é a morte, a nossa própria morte.

22 de setembro de 2005

Onde?
A rua deserta.
Há uma sombra, um pedaço de esquecimento a soltar-se do paredão. O
estuque.
Ouço uma canção. Acompanhada por uma máquina de música, uma máquina de música colorida como aquela que encontrei uma vez em frente ao Pompidou.
Talvez Paris me sossegasse agora. Apetece-me aquela loja de brinquedos de corda.


Onde estás?
Negro, branco. Ouço um ruído atrás das minhas costas. Sou eu. Sou eu que nunca mais descolo de mim.
O amor é a política e a política é o amor. Tão extremadamente o amor é na política que se torna a sua morte. O amor é a morte da política. Porque a política é a arte da negociação.
E o amor é inegociável.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo do blogue